Como estudar as matérias que considera mais difíceis ou não gosta?

Como estudar as matérias que considera mais difíceis ou não gosta?

Entenda os motivos e enfrente as dificuldades

Apesar de saber a importância de priorizar as matérias difíceis, muitos estudantes têm alguns bloqueios em relação a elas. Mas é preciso encará-los de frente para se sair bem no Enem.

O primeiro passo é entender os motivos que te fazem ter a dificuldade ou não gostar de uma determinada matéria. Se o seu problema for com matemática, por exemplo, pode ser que, em algum momento, você teve um professor ruim.

Sabendo disso, você perceberá que ter a ajuda de um bom matemático pode abrir o caminho para você entender melhor os assuntos e encarar a matéria de frente. Assim, será mais fácil traçar as estratégias que você vai utilizar para encarar as suas próprias dificuldades.

Avance de forma gradativa

Não adianta nada pegar as matérias que você não gosta e começar a estudá-las desesperadamente. Além de não assimilar o conteúdo, você vai gostar delas cada vez menos.

Por isso, o importante é avançar na matéria de forma gradativa, estudando cada dia um pouco mais. Assim, você vai se familiarizar com o assunto e começará a dominá-lo. Sua confiança e conhecimento também vão aumentar com o tempo.





Estude nos horários em que você rende mais

Outra dica importante é estudar essas matérias nos horários em que você está com a energia elevada e rende mais. Então, se você funciona melhor durante a noite, deixa as matérias mais difíceis justamente para esse período.

Faça exercícios

Por fim, uma boa maneira de estudar e treinar assuntos em que você tem dificuldade, é fazendo muitos exercícios. Eles te ensinarão de maneira mais prática alguns conteúdos, além da possibilidade de você aprender com os próprios erros.

Seguindo essas dicas, você terá um plano de estudo para o Enem muito mais organizado, produtivo e, as matérias difíceis, se tornarão suas melhores aliadas.





Como dividir o tempo para estudar cada matéria

O seu tempo vale ouro. E quanto mais organizado, melhor você aproveitará as suas horas do dia para estudar e assimilar os conteúdos. Por isso, veja agora algumas dicas que vão te ajudar a otimizar o tempo para estudar cada matéria!

Coloque as matérias em uma tabela

Para organizar melhor seu tempo de estudo, coloque todas as matérias em uma tabela. E deixe um campo para que você preencha a quantidade de horas e minutos que cada uma terá.





Adeque de acordo com o seu tempo disponível

Para estipular o tempo de cada matéria, primeiramente você precisa saber quantas horas por dia estarão livres, sem compromissos de trabalho, cursos ou escola, por exemplo.

Escreva o tempo que passará em cada uma delas

Depois disso, divida e distribua esse tempo de forma coerente em cada matéria. Ao preencher esses dados e colocar tudo num quadro, como a dica que demos no início do artigo, você perceberá como será mais fácil estudar cada assunto.

Defina os melhores horários para estudar cada matéria

Se você tiver um dia inteiro livre para os seus estudos, será perfeito. Dessa maneira, é possível adequar cada matéria a um horário diferente. Você pode deixar matemática para a manhã, história para o período da tarde e português para a noite, por exemplo.

Mas se você trabalha o dia inteiro e só tem o período noturno, deixe as matérias mais difíceis para estudar primeiro, quando você estará com a cabeça mais fresca, e os assuntos mais leves para os horários mais próximos da hora de dormir.

Assim, você evita uma sobrecarga de estudos, que pode comprometer a sua rotina e o seu plano de estudo para o Enem.

Como montar e colocar em prática um ciclo de estudos

Depois de todas essas dicas, você já deve estar praticamente pronto para montar um ciclo de estudos perfeito, não é mesmo?

Entretanto, para que você possa colocar tudo em prática, temos mais algumas dicas que serão essenciais e evitarão que você cometa erros. Acompanhe!





Concilie o plano de estudo ao seu trabalho e aos seus cursos

Muita gente que está lendo o post deve estar se perguntando como encaixar esse plano de estudos à sua rotina, que muitas vezes está tomada por trabalho, cursos e afazeres do dia a dia.

Mas independentemente disso, é possível montar cronogramas que se adequem perfeitamente ao seu perfil. É claro que isso vai demandar mais esforço e você certamente deverá deixar de lado alguns momentos de lazer. Mas o importante é encontrar espaços em sua agenda para estudar.





Com um pouquinho de esforço, você consegue tirar alguns minutos na hora do almoço, aproveitar o tempo de deslocamento no transporte e até mesmo dormir um pouquinho mais tarde para conferir alguns assuntos ou fazer exercícios.

Monte e revise seu cronograma semanalmente

Apesar da possibilidade de fazer um planejamento mensal e até de um período muito maior, é importante montar ou simplesmente revisar seu cronograma toda semana.

Pode ser que você tenha deixado passar alguns assuntos ou até mesmo conseguiu adiantar algumas matérias. Dessa forma, será importante reorganizar o plano de estudo para o Enem e deixar tudo atualizado.

Assim, você terá mais organização, evitará assuntos repetidos e também não deixará nada passar batido.





Seja comprometido

Todas as dicas acima só serão válidas se você tiver comprometimento e seguir o plano de estudos elaborado. É preciso ter bastante disciplina e seguir criteriosamente tudo o que foi traçado e estabelecido.

Assim, você certamente fará um Enem campeão e conquistará uma vaga numa excelente instituição de ensino superior.

Agora que você aprendeu um pouco mais sobre como montar um plano de estudos para o Enem, pegue uma caneta e papel e comece a estruturar o seu. Sem planejamento é sempre mais difícil ter um rumo.

E lembre-se: para evitar que seus estudos se tornem uma rotina monótona e cansativa, troque os horários das matérias semanalmente. Alternar matérias teóricas com as práticas pode facilitar o aprendizado, já que você sempre estará inovando.

Agora que você aprendeu um pouco mais sobre como montar um plano de estudos para o ENEM, pegue uma caneta e papel e comece a estruturar o seu. Sem planejamento é sempre mais difícil ter um rumo.

E lembre-se: para evitar que seus estudos se tornem uma rotina monótona e cansativa, troque os horários das matérias semanalmente. Alternar matérias teóricas com as práticas pode facilitar o aprendizado, já que você sempre estará inovando.

Passo a passo para montar um plano de estudo para o Enem infalível

Planejamento é tudo na hora de estudar para o ENEM (ainda mais agora que quanto maior a sua nota mais chance você tem de conseguir o Fies exige uma boa performance na prova) e os vestibulares. Definir horários e prioridades pode te auxiliar a aprender de uma maneira mais tranquila e fácil, principalmente em meio ao estresse bastante comum nesse período decisivo.

E o melhor disso tudo é que um bom plano de estudos para o ENEM te ajuda nessa etapa e também tem grande serventia para quando entrar na faculdade. Falar é fácil, mas você sabe como montar um plano de estudos? Confira o passo a passo para elaborar um cronograma de estudos para o ENEM infalível.

Que tal por tudo num quadro?

Que tal “pregar” o seu plano de estudos em algum lugar de grande visibilidade, para que você sempre tenha uma ideia do que falta fazer? Você pode até utilizar o Excel ou outros programas similares. O importante é imprimir a tabela e pregá-la no seu cantinho de estudos

Um planejamento de estudos macro pode ser criado visando um mês ou até mesmo um semestre. O importante é estar ciente de todas as atividades e horários ao longo do tempo. Recomendamos que os quadros sejam semanais, que é para garantir um maior detalhamento de cada atividade ao longo do dia.

Defina horários

Anote todas as suas tarefas, incluindo horários de descanso, pausas para refeições e horário de lazer. Um bom plano de estudos para o ENEM só é infalível quando é rico em informações. Leve em consideração todas as atividades que terá ao longo do dia, pois é importante conseguir conciliar todos os seus afazeres.

Pensando nas particularidades de cada aluno, criamos algumas tabelas de planejamento de horários em um âmbito semanal. A planilha se divide em abas, que se encaixa de acordo com o seu tempo disponível para se dedicar ao ENEM.

O cronograma será útil para:

  • Quem estuda de manhã;
  • Quem estuda de tarde;
  • Quem estuda à noite;
  • Quem trabalha o dia todo e estuda à noite;
  • Quem trabalha ou estuda no período vespertino e;
  • Para o candidato que tem o dia todo dedicado aos estudos.

Todas as tabelas englobam as horas que deverão ser voltadas aos estudos e um descanso para o corpo e a mente entre elas. Nesse intervalo, você deverá definir como ocupará seu tempo. O mais recomendado para esse tempinho são lanches e alongamentos. Mas, se quiser dar uma conferida nas redes sociais, não se prive.






O mais interessante desse esquema é que ele te dará mais condições de analisar o todo, por meio de dados concretos que vão indicar a necessidade de aumentar ou diminuir o tempo de duração das atividades. Pense nisso e mande bem no ENEM!

Saiba definir as prioridades

Todos nós temos aquelas matérias que consideramos mais fáceis. Lembre-se disso na hora de montar seu horário de estudos, pois é mais importante se empenhar nas matérias que apresentam mais dificuldade em relação às provas do ENEM.

Respeite os horários

Para que o seu plano de estudos para o ENEM seja efetivo, você deve respeitá-lo em qualquer situação. Horários de estudo, descanso e atividades físicas: tudo o que estiver em seu plano é importante. Seu corpo não é uma máquina, e ultrapassar as horas diárias de estudo pode ser prejudicial para você. Não respeitar o horário do sono pode ser ainda pior. Por outro lado, prolongar o período de descanso pode te atrapalhar na hora de retomar o foco nos estudos. Lembre-se: o quadro foi definido para ser utilizado. Se você quer sucesso, faça por onde!

Siga essas dicas para otimizar os estudos

Na hora de estudar para o ENEM, às vezes nos perdemos no meio de tanta informação que precisamos absorver, não é mesmo? Para isso, existem algumas dicas e “macetes” que podem te ajudar a manter o foco e absorver sempre o máximo de conteúdo possível. Veja quais são elas:

  • Se você cursa o ensino médio ou faz cursinho, procure estudar as matérias dadas no dia. Com o conteúdo ainda fresco na cabeça, fica mais fácil absorvê-lo.
  • Revise o conteúdo estudado ao longo da semana no sábado, mas tire o domingo para descansar.
  • Procure escrever ao menos uma redação por semana e sempre peça pra um professor ou outra pessoa capacitada corrigi-la. A prática leva à perfeição.
  • Reserve duas horas por semana para resolver provas antigas nos 6 meses que antecederem a prova.
  • Nas 4 semanas que antecederem o ENEM, separe seu tempo de estudo exclusivamente para revisar os conteúdos-chave.
  • Faça um simulado por mês para medir seu conhecimento, descobrir suas principais dúvidas e treinar a situação de prova para ir se preparando para o dia “D”.
  • Se você não tem um ambiente de estudos tranquilo, silencioso e confortável em casa, dê preferência para estudar na escola, no cursinho ou em alguma biblioteca pública.






Como definir prioridades na hora de estudar

Escolha os assuntos mais complicados

No seu plano de estudo para o ENEM, depois de selecionar as matérias nas quais você tem mais dificuldade, é hora de priorizar os assuntos que te deixam com mais dúvidas. Então, dentro da disciplina que você tem problemas, escolha aqueles conteúdos que você realmente não entende nada para começar a estudar.

Ter uma noção básica de cada componente da matéria é o primeiro passo para que você comece a sanar as suas dificuldades.

Reserve um tempo para revisar as partes mais simples

Depois de começar a compreender a maioria dos assuntos, comece a revisar as partes menos complicadas da matéria. Assim, você passará a entender algumas questões que antes não faziam o menor sentido.

Depois, volte a estudar as matérias em que você tem mais facilidade

Após entender os assuntos mais complexos e que te davam mais dor de cabeça, não deixe de olhar as matérias que você já tinha facilidade. Dessa forma, você vai garantir conhecimento máximo na hora de fazer a prova.

Física: cinco matérias que mais caem no Enem

Estudar Física, uma das disciplinas do Enem que mais preocupam os candidatos, requer inteligência e dinamismo, principalmente na hora de revisar o conteúdo. É o que diz Felipe Guisoli, professor da disciplina no curso online Kuadro. De acordo com ele, criar mapas mentais, gravar fórmulas através de músicas e praticar exercícios no mesmo dia da aula irão fazer diferença no resultado final do principal exame do país.

— O segredo é ir aumentando o grau de dificuldade dos exercícios a cada dia. O maior erro dos alunos é estudar de forma afobada, se prendendo a um único conteúdo por dia. Isso pode tornar a rotina cansativa e minar o rendimento do estudante. Além disso, o Enem tem exigido cada vez mais um conhecimento dos conteúdos de base e aplicação deles para resolver problemas da nossa sociedade atual.

1. MECÂNICA

Esse tema é a base de toda a Física Clássica. A prova costuma apresentar mais de uma questão sobre esse tema, sejam questões de cinemática ou de dinâmica (Leis de Newton).

Nessa matéria a linguagem matemática será de extrema importância para que o aluno compreenda bem as questões e consiga resolvê-las com facilidade.

Em cinemática, é imprescindível conhecer bem a análise de gráficos: saber identificar suas características e o significado de suas propriedades, tais como inclinação e área. Já em dinâmica, a matemática relevante será a álgebra. As questões desse tema que não forem puramente teóricas costumam ser as questões que mais exigem cálculos matemáticos.

2. ENERGIA E ELETRICIDADE

Aqui é importante que o aluno entenda o significado de energia dentro de circuitos elétricos, compreendendo bem todas as transformações de energia possíveis: energia mecânica, elétrica e térmica (efeito joule).

É também fundamental que o candidato entenda bem o conceito de potência de um dispositivo elétrico, tal como um eletrodoméstico, por exemplo, e compreenda quais grandezas influenciam a sua potência e de que forma elas influenciam.

3. ONDULATÓRIA

Nesse ramo da Física será exigido do candidato que ele conheça bem todos os fenômenos ondulatórios e suas aplicações: difração, interferência, ressonância, entre outros.

É muito comum que a prova contenha questões conceituais envolvendo esses fenômenos, que irá testar se o aluno sabe reconhecê-los e diferenciá-los em aplicações do dia a dia.






4. TERMOLOGIA

A dica é que o aluno saiba bem as conversões entre escalas termométricas: como converter uma temperatura em graus Celsius para Kelvin ou Fahrenheit. Essas são operações simples mas que costumam confundir bastante os alunos.

Quanto aos conceitos, é importante que o aluno entenda bem o significado físico de grandezas como calor específico e capacidade térmica. É bastante recorrente no Enem questões puramente teóricas que envolvam esses conceitos e os seus significados.

5. ÓPTICA

Na óptica geométrica é bastante importante que o aluno conheça bem as aplicações na Biologia, principalmente no olho humano e seu funcionamento: quais são as principais anomalias de visão – miopia, hipermetropia e presbiopia – e os tipos de lentes que devem ser utilizadas para suas correções.

Também é imprescindível que o aluno entenda bem os conceitos de reflexão, reflexão total e refração, além de suas diversas aplicações. É bastante comum que a prova traga questões conceituais envolvendo esses fenômenos.

Fonte: Extra

 

Descubra os 8 assuntos que você tem que saber para o ENEM 2019

Se você deseja constituir uma carreira sólida e pensa em fazer um curso superior, o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) é uma etapa mais do que essencial. A comprovação disso é o grande número de inscrições que a prova recebe todo ano e a aceitação dela por parte de várias universidades federais e particulares.

O Enem é a mais importante porta de acesso ao ensino superior, seja através do SiSU (Sistema de Seleção Unificada), do Prouni ou do FIES. Criado em 1998, ele passou por diversas mudanças ao longo de sua história.

Atualmente, além de popular, ele também chama a atenção pelo conteúdo, que privilegia a capacidade interpretativa dos alunos nas quatro áreas de conhecimento abordadas — linguagens, ciências humanas, ciências da natureza e matemática. Para ajudar você a se preparar da melhor forma possível para o exame, elaboramos um guia com os 8 assuntos que mais caem no Enem. Confira!

1. Meio Ambiente

Segundo um levantamento feito pelo Sistema Ari de Sá (SAS), 17% do conteúdo de geografia na prova de ciências humanas e suas tecnologias está relacionado ao meio ambiente.

Mais do que isso, questões ambientais ainda podem aparecer nas ciências naturais, por conta dos contextos abordados. Nesse caso, atente-se principalmente para a relação entre componentes químicos e a poluição.

Seguindo essa mesma lógica, o impacto ambiental causado pela interferência humana é um tópico constantemente explorado. Também é preciso focar na relação do homem com os agrotóxicos e a aceleração aquecimento global.

Ou seja, para estar preparado, você não só deverá elaborar um bom plano de estudo do ENEM, como também precisa estudar por meio da interdisciplinaridade. O intuito dessa iniciativa é saber aliar diferentes conhecimentos para criar uma visão mais aprofundada.

Uma reflexão sobre a sociedade, que está mais ligada à sociologia, pode ajudar bastante a entender melhor os danos causados pelo crescimento populacional e as consequências que isso traz ao meio em que vivemos.

Além de procurar saber mais sobre a intoxicação por mercúrio ou os efeitos do gás metano na camada de ozônio, tente analisar criticamente a opinião de diversos ambientalistas.





Veja dicas para se sair bem nesse assunto:

  • Alie a visão ecológica aos conceitos químicos para obter uma perspectiva interdisciplinar;
  • Procure ler, ouvir e assistir opiniões distintas sobre o ambientalismo e o aquecimento global;
  • Entenda a relação entre os impactos ambientais, a era da informação, a globalização e o crescimento industrial;
  • Saiba mais sobre como funciona o tratamento de água e esgoto no Brasil e no mundo;
  • Pesquise sobre a chuva ácida e seus efeitos;
  • Tenha uma boa noção sobre os diferentes climas e vegetações brasileiros e mundiais;
  • Avalie as diferentes manifestações que a poluição pode causar na humanidade;
  • Busque compreender melhor algumas iniciativas de preservação ambiental e o que elas trazem à biodiversidade.

O meio ambiente é um sistema complexo e, por isso, exige um olhar profundo sobre muitas disciplinas: ecologia, geografia, química e até mesmo sociologia. As dicas acima listadas contêm temáticas recorrentes nas questões desse grande assunto.

2. Atualidades

Muitos estudantes ficam perdidos quando escutam sobre a importância das atualidades no Enem. Embora possa parecer muito difícil à primeira vista, manter-se atualizado não é algo tão complicado.

Pense que basta direcionar alguns minutinhos do seu dia para ler e entender melhor sobre os acontecimentos nacionais e internacionais mais relevantes. A maioria dos jornais e periódicos apresentam versões online, facilitando o acesso de qualquer lugar do mundo.





Usar as redes sociais também é válido, sabia? Contudo, em vez de direcionar o tempo apenas para memes e outras distrações, siga as páginas de noticiários respeitados — como o El País, o The New York Times e tantos outros. Dessa forma, você receberá notificações sempre que algo acontecer.

Compreender o mundo atual é de extrema importância para a redação do Enem. Os temas que mais caem geralmente estão associados a discussões vigentes na sociedade.

Costumeiramente são tópicos polêmicos, que causam notáveis divergências na opinião pública: impeachment, aborto, legalização das drogas, feminismo, conceito de família, terrorismo, etc. Nenhum deles permite uma visão superficial. Para discuti-los é necessário estudar e olhar atentamente para vários lados da questão.

Entretanto, você não deve se deixar levar por discursos inflamados ou opiniões pessoais. Por isso, o contato com o texto jornalístico ou documental é recomendado. Afinal, presume-se que os veículos estão compromissados com a transmissão da informação acima de qualquer parcialidade.





De qualquer modo, leia fontes distintas sobre um mesmo assunto. A prática é válida para expandir suas chaves de compreensão e evitar a solidificação de algum ponto de vista.

Não saber daquilo que acontece à sua volta pode ser prejudicial em vários níveis. Além de comprometer seu desempenho na prova, você ficará sem saber de fatos e dados relevantes. Eles ainda lhe ajudarão a criar uma bagagem cultural e crítica, cuja importância se estende por toda a sua vida.

Portanto, fique de olho:

  • Nos movimentos sociais e suas respectivas reivindicações;
  • Em assuntos que comovem a sociedade;
  • Nas notícias que tiveram bastante peso no cenário internacional;
  • Em comemorações póstumas relativas a personalidades célebres, como escritores, inventores, cientistas, etc;
  • No impacto causado por determinadas inovações tecnológicas;
  • Em acontecimentos políticos e econômicos que ganharam bastante repercussão midiática.

Vivemos rodeados de informações instantâneas. Para atualizar-se nos dias de hoje, basta querer. Lance mão da tecnologia e informe-se bem a respeito dos fatos que mexem com a população.





3. Literatura e interpretação de texto

A literatura e a interpretação de texto não só estão entre os assuntos que mais caem no Enem como também estão presentes em todo o exame. Não, você não leu errado! Por mais que existam perguntas específicas sobre tais temáticas, elas aparecem — ainda que de forma sutil, ao longo da prova.

Não à toa, uma das principais dicas para resolver questões do Enem é estar com a leitura em dia. Questões longas, com grandes enunciados, fazem com que muitos candidatos fiquem mentalmente cansados. Ou seja, quem está acostumado a ler bastante não sente essa dificuldade, comum a muitas pessoas.

Não há outra maneira de interpretar melhor qualquer tipo de linguagem do que se expor ao contato frequente com a mesma. Lembre-se: a prova também contempla a comunicação não-verbal, que é feita por fotos, tirinhas e afins.





Para estudar corretamente para a seção de linguagens e códigos, leia coisas que sejam do seu agrado e tente interpretá-las, pensar nos significados que elas têm. Não há nenhuma restrição, já que, para criar o hábito, é preciso recorrer a algo que você goste — mangás, graphic novels, quadrinhos, romances, fantasia… Vale tudo.

Reflita sobre estes aspectos em suas leituras:

  • Pense em como o autor “diz” coisas sem deixá-las explícitas, visíveis aos seus olhos;
  • Quando sentir algo — alegria, tristeza, angústia — tente identificar quais elementos do texto causaram essas emoções;
  • Busque compreender as possíveis referências externas ou internas feitas pelo escritor;
  • Nas imagens, olhe atentamente para as expressões dos personagens, suas falas ou para a formação do cenário.

É evidente que estudar a gramática do português facilita bastante. Entretanto, só as regras gramaticais não ajudam a obter uma compreensão profunda dos textos literários. Por outro lado, conhecer bem o funcionamento das figuras de linguagem é fundamental. Elas dão efeitos expressivos à língua escrita, deixando-a mais “viva” e emocionante.





Outra dica a ser levada em consideração é utilizar-se desses conhecimentos de interpretação no estudo dos movimentos estéticos — os famosos “ismos”. Tente responder aos seguintes questionamentos:

  • Quais figuras são mais comuns no modernismo? Por quê?
  • Por qual razão e como os autores do romantismo deixavam seus textos e poemas mais “dramáticos”?
  • Qual a relação entre o bucolismo e o conceito de carpe diem?
  • Há diferença entre o eu lírico e o escritor?
  • O que diferencia um poema de uma prosa?

Compare os romances que você gosta às notícias que lê para entender as atualidades. Veja as principais diferenças entre o tom e os artifícios utilizados em cada registro. Não se esqueça: dedicar-se a esse assunto significa ler constantemente. Como já dito, “só” conhecer a gramática não trará nenhuma garantia.

Como recompensa, você obterá um melhor desempenho nesse assunto e ainda verá a escrita da redação melhorar. Além do mais, a leitura tem benefícios ótimos, como melhorar o funcionamento do cérebro e estimular a criatividade.

4. Política

Poucos assuntos cairão tanto no Enem 2017 quanto a política. A tendência é facilmente explicada pelas intensas movimentações no cenário político nacional durante este ano e o ano passado.

Com o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, o mandato de Michel Temer e as eleições presidenciais de 2018, o debate está aquecido em torno do governo brasileiro.

Diferentemente do que acontece nos papos com a família, com os amigos e nas redes sociais, o ideal é que você seja ponderado na prova. Por mais que você tenha opiniões bastante definidas sobre o tema, saiba se desvincular delas na hora de redigir ou responder.

O exame não almeja saber a sua opinião. Ele quer um raciocínio bem elaborado acerca dos fatos apresentados. Para isso, manter-se atualizado e interpretar bem um enunciado são requisitos imprescindíveis. Se ficou com alguma dúvida em relação a esses assuntos, releia os tópicos 2 e 3 deste post.

A política externa é um assunto que também pode aparecer. Ela geralmente surge relacionada ao terrorismo ou à economia. A questão da Palestina também é frequente. Deixe os rótulos de direita e esquerda para trás e evite argumentar embasado em suas convicções.

O ideal é estar por dentro das atualidades e conhecer bem a história geral e a do Brasil. Temáticas políticas dificilmente caem sem estabelecer relações com outras disciplinas. Então é bem provável que apareçam perguntas associadas a geopolítica, sociologia e filosofia.

Pense que uma situação política vai além das votações na urnas. Os problemas urbanos, a cidadania e a situação rural brasileira são assuntos políticos, pois envolvem o bem-estar da população e as condições que a resguardam.

Resumidamente, tudo que é público é político. Portanto, conhecimentos temáticos aparecerão em perguntas que demandam reflexão por parte do candidato. A redação, aliás, dificilmente se dissocia de um pensamento que é, entre outras coisas, político.

Sendo assim, apresente argumentos bem fundamentados para fazer afirmações, respeitando os direitos humanos acima de tudo.





5. Brasil colônia

O chamado “Brasil colônia” nada mais é do que o período da história nacional que vai de 1500 a 1815. Também chamado de “Brasil colonial”, ele abrange três séculos. Durante essa época, o atual território brasileiro era uma colônia do império ultramarino de Portugal — ou seja, o terreno nacional pertencia aos portugueses.

Antes da dominação dos europeus — processo iniciado em 1500, com a chegada de Pedro Álvares Cabral — o Brasil era habitado por indígenas. Com o tempo, diversos fatores foram alterando de maneira significativa a formação da “nação brasileira”:

  • A mão de obra escrava;
  • A disseminação da língua portuguesa;
  • A miscigenação de diversas etnias — escravos africanos, brancos europeus e índios locais;
  • A economia latifundiária, na qual grandes porções de terra pertenciam a uma única família;
  • A monocultura, cujo principal objetivo era a plantação em larga escala de apenas um produto agrícola — o açúcar, no caso, predominou por muito tempo.
  • Os componentes acima referidos são os elementos mais característicos do período sob uma perspectiva geral. No entanto, alguns momentos específicos também merecem destaque:
  • As revoltas coloniais (Inconfidência Mineira em 1789, Conjuração Baiana em 1798, Guerra dos Mascates em Pernambuco e Insurreição Pernambucana);
  • A criação das capitanias hereditárias, em 1534, cujo intuito era fazer uma divisão territorial estratégica, privilegiando donatários específicos;
  • As invasões holandesas, entre 1630 e 1654, no nordeste, e as invasões francesas;
  • As ampliações territoriais além do Tratado de Tordesilhas;
  • O ciclo do ouro;
  • Entre outros.






O hábito de leitura, já mencionado acima, é fundamental para que você possa se sair bem nas questões de história. Não deixe de buscar conteúdos na internet, nos livros e em materiais didáticos.

Para ajudar nos estudos, faça uma linha do tempo e anote os fatos mais marcantes em ordem cronológica. Estude, aos poucos, cada um deles. Depois, estabeleça uma conexão entre os fatos e tente compreender as causas e as consequências de cada ocorrência.

Os acontecimentos históricos são resultados de muitas coisas. Certas vezes, eles não apresentam uma lógica exata. Portanto, não há como compreendê-los sem uma visão voltada para o todo: estudar cada detalhe valerá a pena.

6. Mecânica

A física pode ser um das disciplinas mais rejeitadas pelos estudantes. Ainda assim, ela é um importante componente do caderno de ciências da natureza e suas tecnologias.

Entre seus mais variados assuntos e conceitos, pode-se constatar que a mecânica é um conteúdo bastante recorrente. Esse campo de estudo lida com o movimento dos corpos — ele trata, inclusive, dos movimentos realizados pelos corpos celestes.

Para mandar bem nesse assunto você deve absorver bem as teorias. Algumas dicas de como memorizar a matéria estudada podem ser consideravelmente úteis. Apesar disso, você precisa compreendê-las em vez de decorá-las.





Depois, aplique-as em exercícios que exijam a prática. Teste as fórmulas e faça a operação de determinados cálculos. É fundamental levar em conta que o Enem, por se aproximar do cotidiano, tentará enquadrar as teorias em problemas que sejam próximos da realidade.

Entretanto, isso não significa que as perguntas de viés mais teórico não estarão presentes. Sendo assim, esteja com a matemática em dia e olhe para as leis físicas buscando entendê-las em sua essência.

Os princípios fundamentais da mecânica clássica são as famosas três leis de Newton:

  1. Também conhecida como “lei da inércia”, a primeira lei de Newton enuncia que um “um corpo em repouso tende a permanecer em repouso, e um corpo em movimento tende a permanecer em movimento”. Ou seja, um corpo só altera seu estado de inércia quando algo ou alguém aplica nele uma força;
  2. A “lei da dinâmica” diz que a aplicação de uma força igual em dois corpos de massas diferentes não apresenta os mesmos resultados em termos de aceleração. Sua fórmula resumida é “F=m.a”;
  3. A terceira e última é popularmente chamada de “lei da ação e reação”. Ela pressupõe que toda força, quando aplicada, recebe uma força de reação cujo módulo e direção são iguais, mas age no sentido oposto. É possível enunciá-la da seguinte maneira: “as forças atuam sempre em pares e, para toda força de ação, existe uma força de reação”.





7. Citologia

A citologia, comumente chamada de biologia celular, é a ciência responsável pelo estudo das células. Nela, o foco é acompanhar a formação estrutural da célula e o seu funcionamento — esse estudo abrange do que elas são constituídas e o que fazem a partir disso.

A célula pode ser compreendida como a unidade fundamental da vida. Todos os seres vivos, com exceção dos vírus, são compostos de unidades celulares. Para se aproximar mais dessa estrutura microscópica, pense em uma fábrica.

Em uma produção fabril, cada setor tem sua parcela de colaboração. Há o pessoal da montagem, do acabamento e assim por diante. Todos eles são importantes para que os produtos sejam finalizados.

Partindo dessa analogia, é imprescindível conhecer quais são essas partes ou divisões. Uma célula animal como a humana, por exemplo, é assim formada:





  • Membrana plasmática, que controla tudo o que entra ou sai das células;
  • Elementos externos à membrana;
  • Elementos internos à membrana.
  • Vale frisar que a constituição de cada célula pode variar de acordo com o tipo, a classe e a função dela. De forma resumida, existem duas classes mais comuns:
  • Procariontes: têm poucas membranas e o material genético não se separa do citoplasma;
  • Eucariontes: são complexas e apresentam muitas membranas. O núcleo é bem delimitado e envolto pela carioteca.
  • Se você deseja atingir uma boa pontuação nesse assunto, conheça bem a função de algumas organelas, como:
  • As mitocôndrias;
  • Os cromossomos;
  • O centríolo;
  • O Complexo de Golgi;
  • O citoplasma.

As perguntas dessa área aparecem relacionadas a algumas noções de genética. Dessa forma, atente-se às duas leis de Mendel:

  1. Lei da segregação dos fatores (monoibridismo);
  2. Lei da segregação independente (diibridismo);

8. Geometria

A matemática é uma matéria temida por muitos estudantes. Se você também sente frio na barriga só de pensar em equações, acalme-se! O Enem é uma excelente oportunidade para reverter esse panorama.

No exame, os questionamentos muitas vezes envolvem mais letras do que números. Portanto, a tradicional paciência com o enunciado deve ser mantida. Evite fazer deduções rápidas para ganhar tempo e partir logo para os cálculos.

Um dos ramos matemáticos mais cobrados é a geometria. Os objetos estudados pela disciplina são as figuras geométricas —como quadrados, triângulos e círculos, por exemplo. Ou seja, ela lida, principalmente, com as medidas.





Para entendê-la mais a fundo, absorva estes conceitos:

  • Ponto: não possui dimensão e determina uma localização. É indicado por uma letra maiúscula;
  • Reta: representada por uma letra minúscula, ela possui o comprimento como dimensão. Pode ser horizontal, vertical ou inclinada. Quando duas ou mais retas se cruzam, elas têm um ponto em comum e são chamadas de concorrentes;
  • Segmento de reta: é uma reta delimitada entre dois pontos específicos;
  • Plano: é uma superfície plana de duas dimensões — comprimento e largura. As figuras geométricas estão inseridas em um plano;
  • Ângulo: trata-se do resultado gerado pela união de dois segmentos de reta a partir de um ponto em comum — o vértice;
  • Área: a área de uma figura expressa o tamanho da sua superfície;
  • Perímetro: corresponde à soma de todos os lados de uma figura.
  • Existem, ainda, as figuras geométricas mais frequentes, que sempre aparecem nos exercícios:
  • Triângulo: é uma figura plana e fechada de três lados e três segmentos de reta. Pode ser equilátero (lados e ângulos iguais), isósceles (dois lados e dois ângulos congruentes) ou escaleno (todos os lados e ângulos diferentes);
  • Quadrado: tem os quatro lados iguais e quatro ângulos de 90º;
  • Círculo: figura “redonda”, caracterizada por unir todos os pontos de um plano;
  • Retângulo: seus dois lados verticais são paralelos, assim como os horizontais. Todos eles formam ângulos retos (com 90º);
  • Outros — como trapézio, losango, hexágono, etc.

Ter um bom desempenho depende de organização e aplicação. Estudando regularmente você será capaz de superar suas dificuldades.

Um dos objetivos da avaliação é integrar os variados campos de conhecimento. Sendo assim, faça seus estudos relacionando os temas. Pouco a pouco, os assuntos que mais caem no Enem serão melhor compreendidos e você arrasará no dia da prova.

Fonte: BlogUNIPE

8 filmes que servirão de grande ajuda no Enem

Com a proximidade cada vez maior do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a pressão para conseguir estudar todas as matérias aumenta, o tempo fica mais curto e bate aquele desespero. Mas calma, tudo vai dar certo!

É importante saber administrar os estudos e dar uma pausa nas apostilas. Passear com pessoas queridas, ir a uma festa ou assistir a um filme são coisas que fazem bem para relaxar e preparar a mente para tantas outras horas em frente aos livros nos dias seguintes.

 

E por falar em filme, por que não assistir a algumas produções que possam distrair ao mesmo tempo em que contribuem para o aprendendizado?

Claro que desligar totalmente a cabeça dos estudos é algo fundamental, mas quando bater o cansaço e você sentir necessidade de fazer uma pausa, pode apostar em um longa para descansar e, simultaneamente, ganhar uma ajuda no Enem.

Com essa estratégia você absorve mais conteúdos sem perceber, espacialmente sobre Ciências Humanas e suas Tecnologias.

Gostou da ideia? Então confira 8 títulos que você não pode deixar de assistir!

1. Central do Brasil (1998)

O filme retrata uma realidade relativamente comum no Brasil devido ao fluxo migratório, narrando a vida daqueles que se mudam em busca de uma vida melhor. Segundo dados do IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o índice de migrantes é maior do Nordeste para o Sudeste, sendo que São Paulo é o estado que mais os recebe.

Central do Brasil é um filme renomado, vencedor de muitos prêmios — incluindo o Globo de Ouro de Melhor Filme Estrangeiro e o Urso de Ouro em Berlim. Fernanda Montenegro, por conta do longa, entrou na disputa ao Oscar de Melhor Atriz, em 1999.

Vale a pena conferir esse clássico do cinema brasileiro, dirigido por Walter Salles. Além de ser uma excelente produção, ele ajuda no Enem fazendo você entender melhor o fluxo migratório. Esse assunto foi o tema da redação em 2012, mas pode cair novamente no exame.

O mesmo assunto é abordado em outro filme mais recente: Faroeste Caboclo, de 2013.





2. Que Horas Ela Volta? (2015)

Uma mistura de aula de Sociologia com fluxo migratório, esse é outro longa brasileiro, desta vez dirigido por Anna Muylaert.

A história é sobre a vida de Val, uma pernambucana que vai procurar emprego em São Paulo e mora na casa dos chefes, cuidando de tudo, inclusive da criação do filho deles, Fabinho.

Jéssica, filha de Val, após muitos anos sem ver a mãe, resolve se mudar para a capital paulista com intuito de encontrar na cidade melhores oportunidades para estudar para o vestibular.

Além de abordar a migração, em que ambas buscam melhores condições em outro estado, o filme faz uma crítica social entre a diferença de classes. Jéssica mostra para a mãe essa discrepância que existe na relação entre Val e seu contratante, problematizando a forma como as classes média e alta tratam seus funcionários.





 

3. O Dia que Durou 21 anos (2013)

Esse documentário é dividido em três episódios (26 minutos cada) e mostra o envolvimento dos Estados Unidos com o Brasil durante o Golpe de 64. A produção revela áudios sigilosos de telefonemas da Casa Branca, expondo a relação dos presidentes John F. Kennedy e Lyndon Johnson, além do envolvimento da CIA no golpe que tirou João Goulart da presidência.

“O Dia que Durou 21 Anos” ainda mostra o cenário político brasileiro da época, sendo uma boa oportunidade de assimilar esse período turbulento da nossa história. A obra foi dirigida por Camilo Tavares.

4. Histórias Cruzadas (2011)

O filme expõe o preconceito racial nos Estados Unidos em meados da década de 60, retratando a luta dos negros (especialmente mulheres) pelos direitos civis.

No drama, Skeeter é a única mulher branca que vê com igualdade as negras e decide que quer escrever um livro sobre a vida das afrodescendentes de sua cidade. Ela se afeiçoa à empregada doméstica Abileen quando começa a escrever uma coluna jornalística sobre conselhos para cuidar do lar.

“Histórias Cruzadas” mostra a realidade de mulheres negras que largaram suas vidas para cuidarem de crianças da elite branca. O longa retrata como elas eram tratadas, tendo até mesmo banheiros separados, e como sentiam medo da punição de seus patrões, caso eles descobrissem sobre o livro em produção.





5. Adeus, Lênin! (2003)

Essa ficção é inspirada na queda do Muro de Berlim e na reunificação alemã. A história começa quando uma mulher comunista infarta depois de ver seu filho, Alexander, protestar contra o regime. Ela fica em coma por 8 meses e, nesse intervalo, ocorre a queda do Muro de Berlim.

Quando ela acorda do coma e retorna para casa, Alexander não mede esforços para que sua mãe não perceba que o sistema capitalista está inserido em todo o país. Ele teme que o choque da nova realidade seja fatal para ela.

Mais um longa com conteúdo histórico, “Adeus, Lênin!” é uma boa aposta para relaxar e entender um pouco melhor sobre as divergências entre os dois regimes.

6. O Que É Isso, Companheiro? (1997)

Indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, o longa mostra o sequestro do embaixador americano Charles Burke Elbrick, durante o período mais sombrio da história brasileira: a Ditadura Militar.

Dirigido por Bruno Barreto, a obra conta como os dois grupos militantes guerrilheiros de esquerda MR-8 e ANL, lutaram pela implantação do socialismo e o fim da ditadura militar.





7. Olga (2004)

O longa brasileiro com direção de Jayme Monjardim conta a história de Olga Benário no período da Intentona Comunista (1935). Alemã, judia e comunista, ela fez treinamento militar em Moscou.

Na capital russa, ela fica encarregada de trazer Luís Carlos Prestes ao Brasil. Os militantes se apaixonam, mas Olga é presa pelo governo Vargas e, mesmo grávida, deportada para a Alemanha nazista.

Lá, ela tem sua filha em um campo de concentração, mas é afastada do bebê e enviada para outro campo.

Cheio de cenas marcantes com todas as dificuldades pelas quais passaram o casal, o filme ajuda no Enem com os contextos: Era Vargas, Segunda Guerra Mundial, as experiências nazifascistas pelo mundo e a formação do PCB.





8. Trabalho Interno (2010)

Explorando aspectos que culminaram na crise econômica de 2008, o documentário detalha fatos que ocorreram entre 2007 e 2012 e contribuíram com o colapso financeiro e político dos Estados Unidos. Em cinco partes, a obra dirigida por Charles Ferguson explora as mudanças políticas e as práticas bancárias da época.

Repleto de entrevistas, “Trabalho Interno” começa examinando a Islândia e a privatização de seus bancos no início dos anos 2000. A obra vai até à bancarrota do Lehman Brothers e do AIG, que colocou o mundo inteiro em recessão.

Viu como é possível estudar e se divertir ao mesmo tempo? Então prepare uma pipoca, apague a luz da sala e aposte em algum título desta lista! Você descansa a mente e, de quebra, ganha uma ajuda no Enem!

Tem mais algum filme para indicar ou considerações a fazer? Deixe seu comentário!

6 dicas incríveis para resolver as questões do ENEM

Entra ano e sai ano, o cenário se repete: milhões de alunos de todo o Brasil passam a se preocupar com as questões do ENEM para entrar na faculdade. O Exame Nacional do Ensino Médio possui uma metodologia bem específica que, a princípio, pode assustar alguns estudantes.

Suas questões requerem bom embasamento crítico, muita leitura e conhecimentos sobre os principais acontecimentos da atualidade. Felizmente, existem alguns truques que garantem uma melhor performance na prova. Só que é preciso muita dedicação e disciplina para atingir seus objetivos e ter sucesso na prova.

Veja abaixo 6 dicas para infalíveis para resolver as questões do ENEM:

1. Mantenha a calma

Vale sempre a pena lembrar que os nossos nervos podem nos atrapalhar na hora de fazer um exame importante. O ENEM requer toda a sua atenção, pois necessita de raciocínio lógico e boa compreensão dos assuntos. Portanto, você deve adotar medidas para domar o seu lado emocional caso o nervosismo tome conta. Lembre-se: o estudo não só aumenta as suas chances de sucesso como também lhe dá confiança para realizar a prova sem estresse.

2. Compreenda em vez de decorar

O ENEM busca, ano após ano, ser uma prova que avalia a capacidade analítica do aluno. Ou seja, não adianta muito decorar várias datas e informações, e sim compreender os temas propostos e desenvolver um raciocínio em torno deles. Claro que isso não significa que você deva se dedicar menos às partes que necessitam ser decoradas, como: nomes, datas e locais. O seu principal objetivo deve ser compreender as matérias e todas as suas implicações.

3. Tenha o hábito de ler

A prova costuma ter enunciados extensos repletos de importantes informações que depois serão usadas para responder a uma pergunta relacionada. Por isso, para poder se dar bem na questão é preciso que você leia com muito atenção todo o enunciado  para compreender a mensagem que está sendo passada.

Tanta leitura acaba sendo difícil para um aluno que não tem o hábito de ler e isso acaba tendo um impacto na nota final. Comece a reservar um tempo do seu dia para ler. Escolha um livro, um portal ou blog de notícias, no estilo que você goste e crie este hábito.

4. Fique de olho nas notícias

Boa parte do conteúdo da prova vem do dia a dia, ou seja, dos acontecimentos que surgem nas redes sociais, nos principais portais de notícias, e claro, nos telejornais. Portanto, para poder se posicionar melhor perante às questões do ENEM, você precisa se inteirar no que acontece no Brasil e no mundo.

O hábito de assistir ao noticiário diariamente, acompanhar pessoas influentes nas redes sociais e ler sites de notícias, ajuda também na hora de fazer a redação, que quase sempre é sobre temas da atualidade.






5. Faça marcações nas questões do ENEM

O caderno de perguntas é seu. Você é livre para fazer qualquer tipo de anotação ou marcação nele. Use este recuso ao seu favor, marcando passagens importantes dos textos e usando o papel para demais desenvolvimentos de raciocínio. Sempre fica bem mais fácil de visualizar as suas informações ao fazer anotações. Estas marcações também podem ser usadas para você “eliminar” alternativas que você tem certeza que não são corretas.

6. Faça simulados

No site do Inep é possível baixar provas anteriores e seus respectivos gabaritos. A melhor forma de estudar para a prova tendo contato com questões reais dela é utilizando as edições passadas para treinar. Também vale a pena buscar simulados na internet, que utilizam a metodologia do ENEM para criar questões no mesmo estilo.

Ao seguir estas dicas, você vai conseguir fazer a sua prova do ENEM com toda tranquilidade e conquistar uma boa nota. Quer mais uma dica ótima para otimizar os seus estudos para as questões do ENEM? Aqui no blog nós já falamos sobre como fazer um bom resumo para a prova.