fbpx

Tabagismo no Brasil

Tabagismo no Brasil

Vou colocar textos motivadores aqui. Após isso, tentem elaborar a Redação de vocês.

A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo em modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “Desafios do Tabagismo no Brasil”, apresentando proposta de intervenção. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

TEXTO I

Tabagismo mata mais de 200 mil pessoas por ano no Brasil

Apesar de toda a informação e campanha sobre os malefícios do cigarro, hoje no Brasil cerca de 11% da população é fumante.

As doenças relacionadas ao fumo matam mais de 5 milhões de pessoas no mundo, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS). No Brasil, o tabagismo é responsável por cerca de 200 mil mortes por ano.

Mesmo com dados significativos, os produtos derivados do tabaco, que incluem, além do cigarro, arguile, cigarro eletrônico e com sabores, cachimbos e charutos, ainda são bastante consumidos no País e no mundo.

“É válido parar de fumar em qualquer fase da vida, independentemente da idade e há quanto tempo fuma, pois os benefícios são imediatos, melhorando o paladar, olfato, circulação sanguínea e capacidade pulmonar, além de voltar gradativamente a ter a mesma probabilidade que não fumantes para infarto, por exemplo”, explica Andrea Reis, técnica do Programa Nacional de Controle do Tabagismo do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Ou seja, a desculpa de que já se fuma há muito tempo ou está velho demais para parar de fumar não é verdadeira, tendo benefícios em qualquer fase da vida. Quanto antes parar, mais rapidamente o organismo responde, com a diminuição dos sintomas do tabagismo e de desenvolver doenças relacionadas a ele.

Disponível em: http://www.oswaldocruz.com/site/noticias-de-saude/noticias-de-saude/tabagismo-mata-mais-de-200-mil-pessoas-por-ano-no-brasil

TEXTO II

Dia Mundial Sem Tabaco

O Dia Mundial Sem Tabaco, 31 de maio, foi criado em 1987 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para alertar sobre as doenças e mortes evitáveis relacionadas ao tabagismo. O Instituto Nacional de Câncer (Inca), órgão responsável pelas ações de elaboração e divulgação de materiais relacionados ao Dia Mundial sem Tabaco no Brasil, vem fazendo uma série de orientações sobre o tabagismo em tempos de pandemia do novo Coronavírus. As recomendações destacam que deixar de fumar traz benefícios imediatos, incluindo a redução dos riscos de desenvolver complicações pela doença causada pelo vírus.

Em estudos que mostram a relação entre o tabagismo e os grupos de risco para a Covid-19, dados apontam que a combinação entre a doença e a nicotina é extremamente prejudicial para os fumantes. Os riscos de infecções respiratórias e de doenças pulmonares e cardiovasculares se tornam mais acentuados. Para além da situação de pandemia, Estudo do Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), realizado em 2019, nas 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal, com um universo de 52.443 entrevistas, apontou 9,8% de fumantes. O índice é 0,5% mais alto que o apurado em 2018.

Disponível em: https://www.conasems.org.br/dia-mundial-sem-tabaco-experiencia-no-controle-do-tabagismo-e-destaque-na-mostra-brasil-aqui-tem-sus/