Inquisição no Brasil

A Inquisição no Brasil teve início no período colonial. No momento em que o Brasil era descoberto, o movimento acontecia – já desde o século XII – na França, na Itália e em Portugal e na Espanha. Uma vez que era preciso combater a heresia (ameaça para a doutrina cristã) também nas suas respetivas colônias, o movimento se estendeu a elas, atingindo assim o nosso país entre os séculos XVI e XVIII.

A Inquisição, também chamado de Tribunal do Santo Ofício, foi um movimento da Igreja Católica Romana criado para combater a heresia, em que os supostos hereges eram julgados e torturados.

Como Ocorreu

Embora o controle da inquisição tenha estado presente no Brasil, seu desenvolvimento difere do que se passou em Portugal, onde o Tribunal do Santo Ofício estava instalado.

Visitas dos Inquisidores

O Brasil recebeu visitas de inquisidores cujo objetivo era investigar comportamentos e inibir qualquer prática alheia aos princípios estabelecidos pela igreja. Historicamente se fala em três ou quatro visitas: a primeira entre 1591 e 1595, a segunda entre 1618 e 1621, a terceira entre 1627 e 1628 e a quarta, supostamente, entre 1763 e 1769.

O primeiro inquisidor do Brasil se chamava Heitor Furtado de Mendonça. Os inquisidores, por sua vez, nomearam clérigos que seriam os responsáveis pelo controle dos hábitos e costumes nessa colônia portuguesa, cujo objetivo principal era exterminar qualquer prática adversa do catolicismo.

Investigações e Práticas de Heresia

Não só os padres eram orientados a observar o comportamento dos fiéis; além desses qualquer pessoa poderia acusar outra, inclusive anonimamente, o que propiciava a vingança entre vizinhos ou parentes em decorrência de desavenças cotidianas.

Havia uma lista preparada pela igreja onde constavam os que eram considerados crimes de heresia, dentre os quais se incluía feitiçaria, práticas judaicas, bigamia, adultério, sodomia, entre outros.

Assim, os principais perseguidos, os considerados hereges (ameaça para a doutrina cristã) eram curandeiros e especialmente judeus convertidos – os cristãos novos – que se acreditava que mantivessem às escondidas seus costumes religiosos.

Vale lembrar que os primeiros habitantes do Brasil eram os índios cujas práticas de cura de enfermidades iam sendo disseminadas pelos novos habitantes e as quais deram origem aos curandeiros, então perseguidos.

No que respeita aos cristãos novos (judeus) eles tinham sido obrigados a se converter em Portugal, mas tendo muitos fugidos para o Brasil, Portugal acreditava que distantes teriam a oportunidade de regressar ao judaísmo praticando sua fé e tendo espaço para a sua divulgação.

Torturas

Desde que houvesse suspeição, os clérigos nomeados abriam processos (foram abertos cerca de mil no Brasil), na sequência as pessoas eram presas – muitas vezes sem conhecer o crime de que eram acusadas – e eram extraditadas para Portugal para lá serem julgadas e torturadas através de métodos como a roda ou o polé ou mesmo a morte na fogueira.

Museu da Inquisição no Brasil

Em agosto de 2012 foi inaugurado o Museu da História da Inquisição do Brasil, em Belo Horizonte. Nessa capital, o dia 31 de março foi criado em memória às vítimas da inquisição.

O Museu conta com uma sala de vídeo e uma biblioteca onde existem documentos originais da época da inquisição, bem como nele estão expostas réplicas que foram feitas dos equipamentos de tortura.